terça-feira, 20 de julho de 2010

Antagonismos.

Jamais trocarei o meu espaço pela Política e, parece-me que é a primeira vez que o faço . Uma vez sem excepção.
Anda o nosso Portugal de rastos, com a podridão da política. Tanta coisa teríamos para nos preocupar e, eis que vem um Senhor que se julga salvador da Pátria trazer para o palco político a revisão constitucional.
Que vontade de rir. Temos uma justiça que cheira a cadáveres , uma economia podre, trabalho precário quanto baste,Ladrões por tudo quanto é canto, assassinos em liberdade, políticos corruptos á procura de tachos, um presidente da República que até se engasga a comer bolo rei, parece um esfomeado, um governo de palhaços, candidatos á presidência da República aos molhos, enfim uma panóplia de problemas onde os políticos se podiam e deviam debruçar , mas não! queremos dormir no Parlamento a discutir asneiradas sobre asneiradas, para satisfazer barrigas á espera de poder. Tenham dó, os portugueses merecem melhor. Dêem as condições para que o país se desenvolva e deixem de andar ás cornadas. O nosso melhor constitucionalista, Jorge de Miranda, na sua lucidez, deu-nos hoje uma boa lição de democracia. Sete revisões constitucionais desde 1976, são mais do que suficientes. Nem no tempo da Monarquia constitucional se fez tantas revisões. Já é tempo de emalar a trouxa e zarpar, citando o meu querido amigo José Afonso. Zeca para os amigos.
Acreditem que enquanto me lembrar, dedicarei mais tempo ás minhas flores do que a estes palhaços que nem nos divertir sabem.

7 comentários:

Concha disse...

Comungo de toda esta análise.
Confesso que não estava nada à espera que deixasse as suas flores para dar um grito por todos os que desejam fazê-lo e não conseguem...
Bem-haja!

Fatyly disse...

Subscrevo este teu grito e irás ver que tudo isto é puro arrastar de tempo até às eleições presidenciais e Passos Coelho com isto cada vez se enterra mais.

Cuida das tuas flores, vai vivendo um dia de cada vez com a esperança de que melhores dias virão porque nem tudo que é mau ou bom dura para sempre.

Força aí...que eu puxo daqui:) e façamos o que pudermos até onde cheguem os nossos braços, tal como no tempo da outra senhora...aguentamos e conseguimos e o mesmo sucederá aquando da demanda de tanto palhaço político!

Uma beijoca

Espaço do João disse...

Querida Concha.
As flores também gritam, em especial quando lhes falta o alimento e a água.

Fatyly.
Será preciso gritar ou simplesmente virar as costas à canalha? As minhas flores merecem o melhor, e confesso :- Enquanto for vivo e puder mexer-me nada lhes faltará.

Enviu-vos um grande um grande abraço de grande amizade.

FERNANDINHA & POEMAS disse...

OLÁ QUERIDO JOÃO, BELÍSSIMO POEMA QUE ESCREVES-TE ... ADOREI AMIGO...
TAMBÉM TENHO SAUDADES TUAS... ABRAÇOS DE CARINHO E AMIZADE,
FERNANDINHA

LOURO disse...

Olá João!

Estou contigo neste grito de revolta,vão estes politicos para o parlamento muitas vezes para dormir e para garantir o vencimento ao fim do mês, em vez de resolver os graves problemas que o pais atravessa,e para tapar o sol com a peneira,vão querer brincar com a constituição.
Muito mal vai o Pais com estes salvadores da Pátria...

Abraço
Lourenço

São disse...

Posso colocar ao pé do teu o meu nome neste grito de revolta mais do que justificado?
Obrigada!

Um abraço bem grande, amigo.

Ana disse...

Vim aqui hoje para ver flores do teu jardim e deparo com este "desabafo" do qual sou obrigada a partilhar.
Mas quero ver as flores e vou fazê-lo a seguir porque prometi e ainda não cumpri, pareço o Governo!
Mas no meu caso foi necessário ausentar-me para dar apoio à minha família que precisava e precisa de mim.
Sei que muitos não querem que eu me vá embora da Blogosfera e estou a ponderar "recomeçar" dado os muitos pedidos que me tem feito(até de alguns aveirenses) não me faltam imagens como deves imaginar já que sou uma apaixonada da fotografia.
Enfim amigo quanto ao que disseste, desejo muito que tudo se modifique, porque não quero que os nossos netos voltem ao que vivemos "no antigamente".
Um grande beijinho,
Ana