domingo, 3 de outubro de 2010

Belezas Inertes

Reparem na beleza inigualável destas belíssimas rochas. Felizmente estão perservadas.

9 comentários:

teca disse...

Linda! De relance, pensei que fosse um tronco de árvore...

Beijos e boa semana, João!

Cida disse...

São bonitas mesmo, mas a aparencia é tão diferente, que nos lembra madeira antiga.

Estou satisfeita porque a eleição para presidente foi para segundo turno \o/

Jinhos da Cid@

armalu disse...

ficam em nós as saudades, das rochas das minas, e das barragens, eu também vivi no Dondo, e como você vivi nas minas, cambambe eu ia vezes sem conta.Do mucozo lá era um pulinho. tenha um resto de semana super feliz.
Nesse Alentejo maravilhoso e que eu tanto amo. quase 8 anos ai deixou muita saudade. bj

Fatyly disse...

São belas e muito raras!

Clarice disse...

Tem jeito de serem árvores petrificadas. Que tesouro!

lis disse...

Linda rocha João
parecem sim com troncos e árvores , e ainda bem que serão resguardadas , só mesmo o tempo dirá!
abraços

Ana disse...

O que a erosão faz! Autenticas esculturas...
Bela imagem!!!
Beijinhos

Rose disse...

Uma das coisas mais lindas que já vi.Realmente belas.

armalu disse...

Pois é estive na Lunda sim Senhor minha casa era a k 18 no Dundo,nesmo ao lado do Liceu,recorda-se? ironia do destino, estive lá quando quase todos os pulas, se vieram embora,1974, era pouco mais que 3 ou 4 mulheres brancas, eu tomava conta das cozinhas dos hospitais como já disse, todo o tempo que lá vivi andei fardada de branco, ia desde a cacanda a qualquer lugar sem medo, meu marido , esta a fazer o lugar de director clinico, ali fazia de tudo um pouco, pois as granadas eram mais que muitas eas minas nem é bom falar, quando Deus queria, era ver entrar pessoas, todas mutiladas, isso vocês já não assistiram pela certa, e se não fosse ter corrido o boato que ia nacionalizar e retar os filhos dos brancos eu ainda lá estava hoje, mas tiha 2 filhos como já contei e eles estavam primeiro que tudo, mas fizeram comicios para não nos deixar sair. E recebi a maior prova de amizade que algum dia esperei, no dia em que vim para Luanda, foram ao aeroporto entregar-me uns bolinhos de coco, para os meninos porque a viagem era longa, vindo de um povo ondena altura nada havia, para se comprar, achei o máximo,