domingo, 5 de julho de 2009

As vinhas da Ira

Eis as minhas uvas Moscatel de Hamburgo. Parece que este ano vai ser bom, pelo menos pela amostra.

3 comentários:

Ana disse...

Também li esse livro de John Steinbeck, já nem me recordava se não falasses nele:-) Fui recordar:
É um romance sobre a dignidade humana em condições desesperadas. Entre 1930 e 1939, as grandes planícies do Texas e do Oklahoma foram assoladas por centenas de tempestades de poeira que causaram um desastre ecológico sem precedentes, agravaram os efeitos da Grande Depressão, deixaram cerca de meio milhão de americanos sem casa, e provocaram o êxodo de muitos deles para Oeste, nomeadamente para a Califórnia, em busca de trabalho. Quando os Joad perdem a quinta de que eram rendeiros no Oklahoma, juntam-se a milhares de outros que ao longo das estradas se dirigem para Oeste, no sonho de conseguirem uma terra que possam considerar sua. E noite após noite, eles e os seus companheiros de desdita reinventam toda uma sociedade: escolhem-se líderes, redefinem-se códigos implícitos de generosidade, irrompem acessos de violência, de desejo brutal, de raiva assassina.

Pronto revivi esse livro que deixei junto a outros do "Circulo de Letores" onde vivi muitos anos, mas a vida é um caminho co curvas e contra-curvas:-)

As uvas estão maravilhosas nesta bela imagem.

Jinhosssss

sweet disse...

Lindas uvas... vamos esperar que o sol e os insectos não as estraguem....

Estela disse...

Que coisa linda! É mais um capricho da Natureza!
Bjs.